Estação Onze_Leitura na Rede_3Uma distopia de peso, que eu indico para todos que queiram sair da zona de conforto e pensar além das possibilidades que nos são apresentadas atualmente.

Comprei este livro na Saraiva pela citação na capa do George R. R. Martin: “Um livro que se destaca de todos os outros; do qual me lembrarei por muito tempo e ao qual retornarei.” Afinal de contas, se o lindo e fofíssimo salve e salve criador da série Crônicas de Gelo e Fogo (mais conhecido como Guerra dos Tronos) recomendou o livro, é óbvio que eu iria ler!

Não fiquem chocados com a resenha. Tudo o que direi aqui já é dito, de certa forma, na sinopse da contra capa. Não darei spoilers meus amores.

Vamos à história. No 1º dia ocorre uma encenação da peça Rei Lear em um teatro em Toronto onde o famoso ator Arthur Leander morre em cena. O paramédico que tentou ressuscitá-lo no palco (em vão), poucos minutos após deixar o teatro recebe uma ligação de um amigo médico que trabalha num hospital dizendo para ele deixar a cidade imediatamente porque a Gripe da Geórgia (variação da Gripe Suína) está se alastrando e os médicos e hospitais não sabem como combater. Desesperado, ele corre para o apartamento do irmão, um deficiente físico, que vive em uma cadeira de rodas, e leva suprimentos para eles. Fecha as frestas das portas e janelas tentando impedir que o vírus entre no apartamento. O vírus espalha-se pela superfície da terra e mata 99% da população.

Houve a gripe que explodiu como uma bomba de nêutrons na superfície da terra e o choque do colapso que se seguiu, os primeiros anos indescritíveis, quando todo mundo ficou viajando, antes de entenderem que não havia nenhum lugar onde a vida pudesse continuar como era antes, e todos se instalarem onde podiam, aglomerados por motivos de segurança em paradas de caminhões, antigos restaurantes, velhos motéis.

Com o mundo sem energia elétrica, com 1% de sobreviventes, quem sobrou não confia em mais ninguém. Não se sabe se a próxima pessoa a ser encontrada irá tentar te saquear ou te ajudar. O mundo fica em desordem, sem fronteiras.

Vinte anos após a calamidade um grupo de teatro chamado Sinfonia Itinerante percorre vilarejos apresentando peças de Shakespeare, porque para eles o lema é sobreviver não é suficiente. E durante quase todo o livro é narrado o percurso, aventuras e descobertas deste grupo teatral.

O livro Estação Onze é narrado em 3ª pessoa e com completa maestria a autora entrelaça as histórias dos personagens; desde o primeiro que aparece na trama, aquele ator que morre em cena no primeiro dia. A autora percorre seu passado, as pessoas que fizeram parte de sua vida antes e pós-calamidade, mostra como a mudança no mundo afetou cada um deles e como os grupos que se formaram pensam e agem em conjunto e individualmente. O que para algumas pessoas parece supérfluo e para outras são artigos valiosos de grande significado. É o tipo de obra que te faz refletir, pensar a respeito das coisas que você possui a seu dispor hoje e talvez nem dê tanto valor, porque desde que nasceu sempre esteve lá. Como por exemplo, o interruptor de luz, a ervilha enlatada, o wi-fi. E por aí vai.

Em relação ao trabalho de edição da Editora Intrínseca, só elogios. A capa é linda, de material texturizado e a imagem tem tudo a ver com a história narrada. A diagramação é bem espaçada e não cansa em nada a vista.

Recomendo para ler, presentear e ter em sua coleção!

  • Título original: Station Eleven
  • Editora: Intrínseca
  • Número de páginas: 320
  • Ano: 2015
  • Gênero: Ficção canadense (distopia)
  • Rating:estrelas

6 Comments on RESENHA: Estação Onze, de Emily St. John Mandel

  1. yasnaya
    19/08/2015 at 14:09 (2 anos ago)

    Só pelo tio George ter falado isso já quero!!!!!!!!!!!
    Sou assim também hehe
    Poxa me instigou bastante a resenha, precisoooo

    xoxo

    Responder
    • Mariana Fieri
      19/08/2015 at 17:49 (2 anos ago)

      Oie! Vale muito a pena! Não vai se arrepender! É uma leitura instigante e apesar de o tema ser forte a história é narrada de forma cativante.
      Bjos!

      Responder
  2. Lygia Dambrosio
    21/08/2015 at 18:35 (2 anos ago)

    Mari, gostei da dica. Vou ler … Me reportou a Saramago. Bjo no seu coração!, Lygia

    Responder
    • Mariana Fieri
      24/08/2015 at 11:36 (2 anos ago)

      Oi Lygia!
      Muito obrigada! Leia sim, tenho certeza que irá gostar! Saramago fez parte do meu TCC da faculdade de letras rs. Excelente autor!
      Saudades! Bjos linda!!!

      Responder
  3. Ana Paula
    27/08/2015 at 19:32 (2 anos ago)

    Nossa fiquei tentada! Vou ler tambem!!!

    Responder
    • Mariana Fieri
      28/08/2015 at 10:09 (2 anos ago)

      É muito bom amigaaa!! Vc vai curtir!! Certeza!
      Bjos linda!

      Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Comment *